Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

A Arte Rupestre

Trabalho por Paula Daniela Pessoa Lopes, estudante de Arte @ , Em 15/02/2006

5

Tamanho da fonte: a- A+

Arte Rupestre


Há muito tempo, os homens moravam em cavernas. Naquela época, criaram sua primeira forma de arte: a pintura rupestre, feita nas paredes das cavernas escuras ("rupestre" quer dizer "gravado ou traçado na rocha, na pedra"). Essas pinturas se encontravam tão escondidas no fundo da caverna, que levaram milhares de anos para serem descobertas.

A arte rupestre está registrada em rochas e grutas em todo o Brasil. São mais de 780 sítios arqueológicos, onde as pinturas rupestres deixaram o rastro dos primeiros "pintores" brasileiros de que se tem notícia.

Em Minas Gerais, um dos sítios mais importantes é o Vale do Peruaçu. Em paredões bem altos, os "pintores" da Antiguidade fizeram seus desenhos a cerca de dez metros do chão, provavelmente se encarapitando em cima de árvores! As pinturas do Peruaçu são de vários estilos, e os pesquisadores calculam que tenham entre 2.000 e 10.000 anos.

Além de retratarem cenas de caça, os painéis de rocha também exibem desenhos geométricos incríveis, com cores bem vivas.

Em Minas também ficam os penhascos de Lagoa Santa, outro lugar misterioso, cheio de desenhos de animais, com cerca de 10.000 anos de idade, descobertos pelo biólogo dinamarquês Peter Lund em 1834.

Parece que os " pintores" antigos de Lagoa Santa também usavam o lugar como cemitério, pois junto aos desenhos também foram encontrados ossos.

Uma das descobertas recentes mais impressionantes é a Caverna da Pedra Pintada, na cidade de Monte Alegre, no Pará, descoberto em 1996 pela norte-americana Anna Roosevelt. A pesquisadora encontrou indícios de uma civilização avançada na bacia amazônica.

As pinturas rupestres deixadas nos paredões e cavernas de Monte Alegre são em tons avermelhados e chegam a ter 11.200 anos! Retratam plantas, animais, e até as cenas de um parto! Os "retratistas paraenses" pareciam ter boas noções de biologia, e deixaram os pesquisadores boquiabertos…

Esses desenhos ancestrais são atração também nos sítios de São Raimundo Nonato e Serra da Capivara, no Piauí, e Lajedo da Soledade, em Apodi, no Rio Grande do Norte, onde se concentra o maior número de pinturas rupestres por metro quadrado.

Você sabia que esses homens primitivos também viveram aqui no Brasil? Há milhares e milhares de anos viveram no município de São Raimundo Nonato, no sul do Piauí.
Em 1970, a equipe da arqueóloga francesa Niède Guidon encontrou umas pedras em torno de uns restos de fogueira. Cientistas dos Estados Unidos e da França estudaram essas amostras de carvão e concluíram que tinham no mínimo 48 mil anos.

Foram encontrados também cacos de cerâmica, ossos de animais, pedras lascadas, que podiam cortar coisas, e 25 mil pinturas rupestres. Elas eram pintadas com porções naturais de terra e rocha, por vezes misturados com gordura animal para fixar a cor, tudo em tons ocre avermelhado.

As pinturas rupestres mostram figuras de homens e animais de seis a doze mil anos de idade e estão no Parque Nacional da Serra da Capivara, no Piauí. Parecem desenho de criança transmitindo uma sensação de movimento.

Mas...que pena! Essas figuras correm o risco de desaparecer, por causa dos insetos que ali se alojam e dos turistas que arrancam pedacinhos das pedras pintadas e levam como lembranças.

O homem pré-histórico pintou as paredes das cavernas em que vivia e nos legou a imagem simples e direta de uma figura humana correndo, as pernas longas e abertas, uma lança na mão, atrás de um bisonte. A vida eternizada numa pintura rupestre. Eis a maravilhosa síntese de um modus vivendi da época. Os indivíduos parecem ter vivido da caça. Sua subsistência, que sustentava