Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

Ergonomia no Ambiente de Trabalho

Trabalho por Mario, estudante de Administração @ , Em 27/01/2006

5

Tamanho da fonte: a- A+

ERGONOMIA


1. HISTÓRICO DA ERGONOMIA

A ergonomia nasce da constatação de que o Homem não é uma máquina como as outras, diferentemente do que propôs Descartes e La Mettrie no século XVII pois:

- ele não é um dispositivo mecânico;

- ele não transforma energia como uma máquina a vapor;

- seu olho não funciona como uma célula fotoelétrica;

- seu ouvido não é sensível aos sons apenas como um microfone e um amplificador;

- sua memória não funciona como a de um computador;

- os riscos a que está submetido no trabalho não são análogos aos de um dispositivo técnico, apesar de termos análogos aplicados ao Homem e à máquina: fadiga, desgaste, envelhecimento, polias, válvulas, juntas, bombas, tubos.

E quando é que se começou a pensar que o homem era uma máquina como as outras?

Até o século XV o homem, na tradição cristã, ocupava o centro do universo. Tinha sido criado à imagem e semelhança de Deus e seu corpo sempre foi objeto de respeito. A dissecação de cadáveres era rigorosamente proibida pela Igreja Católica.

Todo o restante do universo tinha sido criado especificamente para seu uso e gozo.

Com a demonstração, por Galileu, de que a terra não era mais o centro do universo, a verdade revelada perde sua importância. Um intenso ceticismo toma conta de todos os pensadores, pois tinha ficado patente que os nossos sentidos podem nos enganar. Afinal, nossos sentidos sempre nos indicaram de que era o sol que se movia ao redor da terra. E nem mesmo a nossa razão foi capaz de corrigir este erro. Logo, lança-se uma dúvida sobre os sentidos e a razão.

Descartes leva esta dúvida a extremos: doravante tudo tem que ser submetido a uma verificação já que estava perdida a fé na tradição. Se por um lado o homem sofre um intenso golpe no seu narcisismo, por outro isto permite que seu corpo seja estudado como um objeto qualquer como os vários outros que compõem a natureza só que animado por uma alma.

Com o desenvolvimento de engenhos mecânicos que se propõem a ajudar os homens no seu trabalho, é quase inevitável que o funcionamento do corpo humano seja estudado do ponto de vista mecânico e mais tarde o modelo da máquina a vapor torna-se o paradigma predominante. O homem é concebido como um engenho mecânico transformador de energia.

Se Descartes propunha explicar o homem como uma máquina animada por uma alma, mais tarde La Mettrie (um ateu convicto) faz um esforço grandioso e se propõe a explicá-lo mesmo sem o recurso a uma alma.

Dentro da Ergonomia há duas correntes:

- a corrente produtivista que procura a adaptação dos meios de trabalho ao homem; -- a corrente higienista mais interessada no conhecimento dos riscos e eliminação de suas causas.

Antes da 2ª Guerra Mundial, sempre houve os que procuravam adaptar os meios de trabalho ao homem:

- os próprios usuários: desde a pré-história havia uma busca incessante por instrumentos que pudessem melhorar o desempenho humano, como os machados de pedra, os estiletes etc.;

- os médicos e os higienistas: interessados nas conseqüências do trabalho sobre a saúde;

- os engenheiros e organizadores do trabalho cuja questão central era: qual a quantidade de trabalho mecânico que se pode esperar de um homem?

Já os pesquisadores de laboratórios se dividiam em :

- físicos e fisiologistas que tentavam medir o custo energético do trabalho, o rendimento etc.