Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

Sarcocystis, Isospora, Balandidium

Trabalho por Rodrigo Favaro, estudante de Farmácia @ , Em 06/09/2005

5

Tamanho da fonte: a- A+

Sarcocystis, Isospora, Balandidium


INTRODUÇÃO

Sarcocystis

O gênero Sarcocystis Lankester, 1882, era conhecido, até alguns anos atrás, somente pelos seus citos polizóicos intramusculares.Entre as principais alterações de sistemática, a mais importante foi a caracterização desse grupo como coccidíos e sua inclusão no filo Apicomplexa.

Em 1884, Miescher observou, pela primeira vez, a presença de cistos de Sarcocystis na musculatura esquelética de ratos.

Esse gênero compreende protozoários obrigatoriamente heteroxenos com multiplicação assexuada no hospedeiro intermediário(presa).Neste,a ultima geração de merontes(sarcocistos),definitivo(predador),onde evoluem diretamente para gametas no intestino.Outra característica do gênero é que a esporogônia do oocisto ocorre no intestino do hospedeiro definitivo que saem esporulados junto com as fezes.Espécies que parasitam o homem:S.hominis(Railliet & Lucet,1891),Dubey,1976 e S. suihominis(Tadros & Laarman,1976),Heydorn,1977 e numerosas como espécies típica do homem, representa na realidade sete tipos morfológicos, cada um pertencendo a uma ou varias espécies diferentes que se assemelham àquelas que ocorrem em animais,principalmente primatas.

O homem é hospedeiro definitivo das duas espécies que podem causar alterações do transito intestinal. Este protozoário é encontrado formando cistos entre fibras musculares, principalmente a do diafragma, língua, coração e musculatura estriada das extremidades.

Isospora

O gênero Isospora Schneider,1881, já conhecido há muito tempo como parasita do homem. A I.hominis, por suas características morfológicas e biológicas, se encontra atualmente classificada como um membro do gênero Sarcocystis.

O membro de gênero Isospora são coccidios que apresentam oocisto com dois esporocisto e com quatro esporocistos dentro de cada um. São geralmente homoxenos (monoxeno) e apresentam ciclo evolutivo típico de coccidio, com multiplicação assexuada (merogonia) e sexuada (gametogonia) que terminam com a formação de oocistos nas células do intestino do hospedeiro.

Nesse gênero, duas espécies tem sido encontrada parasitando o homem: I.belli (Woodcock,1915), Wenyn,1923 e I.natalensis Elsdon – Dew,1953.

Patologia rara ate o aparecimento da síndrome de imunodeficiência adquirida, com os primeiros casos, no Brasil, em São Paulo (1925, 1928, 1934 e 1936) e Minas Gerais (1939 e 1940).

Balantidium coli

A classe Ciliada apresenta grande número de espécies de importância na ecologia do aparelho digestivo de ruminantes e eqüídeos. Nesses animais, varias espécies existentes no rumem e no intestino grosso funcionam como simbiontes. Uma espécie existente no intestino grosso de suínos – o Balantidium coli (Malmsten,1857) - em algumas situações pode parasitar o homem.

È o único ciliado que pode ser encontrado na espécie humana, Balantidium, tendo sido descritas duas espécies, B.coli e B.suis, ambas de suíno, mas diferentes pelos aspectos dos núcleos e do tamanho externo. Foi verificado posteriormente que todos dois era uma única espécie – B.coli, com diferenças morfológicas devido ao momento reprodutivo do protozoário: as formas menores estavam se preparando para a conjugação e as maiores eram trofozoitos ativos.

O B.coli já foi entrado nos seguintes hospedeiros: porco, homem, chimpanzé, vários macacos (Rhesus, Cynomolgi etc), e raramente em cão, e rato e cobais, sendo os macacos os mais atingidos depois dos suínos.


Morfologia

Sarcocystis

Dependendo de fase evolutiva, as formas encontradas são as seguintes:

  • Merontes (esquizontes): presentes no endotélio dos vasos sanguíneos do hospedeiro intermediário. A sua formação ocorre através de reprodução múltipla por merogonia e quando maduro origina os merozoarios. Dependendo da espécie, pode haver mais de uma geração meronica. Os merontes medem em media 7 x 3m m.
  • Sarcocistos (cisto): presentes nos músculos e, ocasionalmentem, em outros tecidos do hospedeiro intermediário. É formado a partir de merozoitos que dão origem aos metrócitos (células jovens), que por sua vez originam os bradizoitos. Eles podem, às vezes, ser vistos a olho nu e medem cerca de 720 x 240m m.
  • Bradizoitos: presentes dentro dos sarcocistos e possuem forma alongada semelhante a uma banana, medindo cerca de 15 x 5m m. É a forma infectante para o hospedeiro definitivo.
  • Oocistos: presentes nas