Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

Corporeidade e a Educação Física

Trabalho por Julio Handebol, estudante de Educação Física @ , Em 02/08/2005

5

Tamanho da fonte: a- A+

Corporeidade e a Educação Física


INTRODUÇÃO

Inicialmente, apresenta-se um entendimento de Educação Física e sua finalidade no contexto escolar, relacionada ao conceito de cultura corporal de movimento. Propõe-se conteúdos, metodologias e estratégias adequados aos diferentes níveis de ensino. Destacam-se as diferentes concepções de avaliação, analisando suas implicações para a Educação Física e apresentando sugestões. Conclui-se pela necessidade de a Educação Física estreitar as relações entre teoria e prática e inovar pedagogicamente, a fim de seguir contribuindo para a formação integral das crianças e jovens e para a apropriação crítica da cultura corporal de movimento.

No presente trabalho, diremos, provisoriamente que a Educação Física é uma pratica pedagógica que no âmbito escolar, tematiza formas de atividades expressivas corporais como: jogo, esporte, dança, ginástica, formas estas que configuram uma área de conhecimento que podemos chamar de cultura corporal.

Na escola essa cultura corporal foi implantada no final do século XVIII e inicio do século XIX. Para a sociedade da época havia necessidade se contrair um novo modelo de homem: mais forte, mais ágil, mais empreendedor. Sendo assim, praticas pedagógicas como Educação Física foram pensados e postas em ação, uma vez que correspondiam aos interesses da classe social, ou seja a classe que dirige política, intelectual e moralmente a sociedade.

Também vimos esclarecer as áreas de atuações e os caminhos de diferentes áreas de estudo da ed. física o que vem a seguir e um rápido estudo sobre, cinesiologia, motricidade humana, aptidão física, ciências de esporte e cultura corporal de movimento.


DESENVOLVIMENTO.

CORPOREIDADE

Por que corporeidade? O corpo comporta, historicamente, um imaginário do disjuntivo e do fragmento. E, o que é pior, da parte menos valorizada. Diferentemente dos atributos espirituais, das abstrações tidos como verdadeiramente humanos. "O corpo é concebido como uma entidade somática fechada, que só revela o tratamento químico" . Mas quando falamos de corporeidade não é mais possível entendê-la como constituída de elementos químicos. A partir da corporeidade, os elementos químicos cedem lugar à compreensão das reações químicas entre esses seus componentes.

Entender a corporeidade é, também, distanciar-se do paradigma natural-essencialista e inserir-se no paradigma social-existencial. A construção da corporeidade só é possível pela estimulação sócioecossistema. É preciso reconhecê-la na sua inserção com a corporeidade cultural lingüístico-ecossistêmica.

A educação física, tradicionalmente, segue a linha do racionalismo instrumental, trabalhando com o corpo e a mente, ou melhor, com o corpo e a mente fragmentados, o que impossibilita a percepção e as implicações práticas e teóricas da corporeidade.


CINESIOLOGIA

Muitas vezes para se fazer criticas a determinados assuntos é necessário que se tenha o mínimo de conhecimento a respeito do próprio.

Ao longo desses 20 anos isso aconteceu com a ciência do esporte, ora bem criticado ora mal criticado.

Dentro desse contesto, acredito que há ainda espaço para reflexão de 2 aspectos, primeiro a interpretação daquilo que esta por trás das mudanças ocorridas ou dos problemas surgidos e , segundo a proposição e discussão de possíveis ações a serem implementados no futuro frente as reflexões do passado.

A um outro ponto de discórdia dentro da ed. Física brasileira onde o caldeirão esta um pouco mais aquecido. A ausência de uma estrutura que orienta os diferentes conteúdos e formas de investigação tem contribuído para disputas em torno de pesquisas em ed. Física serem realizados numa concepção de ciências naturais ou humanas e sociais. E isso tem sido acompanhado de uma boa dose de ideologização e politização das discussões.

A maioria das divergências ocorridas nessas áreas ocorre devido a não diferenciação, diferenciar e um passo essencial para ver claramente às relações. Como saída foi criada proposta que tem como objetivo fazer uma destinção clara entre uma área preocupada com aspectos acadêmicos e outra área preocupada com o estudo de aspectos profissionalizante.

Assim foi identificada uma