Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

Os Princípios de Administração de Henry Ford

Trabalho por Jair de Almeida Filho, estudante de Administração @ , Em 11/04/2005

5

Tamanho da fonte: a- A+

Os Princípios de Administração de Henry Ford


Introdução

A Ideologia de Henry Ford

"Só pelo Trabalho, se vence a miséria" . Tanto Marx como Ford se encontram na mesma concepção fundamental da vida e da natureza humana. Só se divergem nos métodos a empregar.

A idéia básica de Henry Ford foi a idealização de uma linha de montagem, através de uma divisão do trabalho, causando uma revolução na indústria da época, devido a aceleração da produção, por meio de um trabalho ritmado, coordenado e econômico, introduzindo assim, a produção em série, em massa, através da padronização do maquinário e equipamento, mão de obra e das matérias primas, ou seja, dos produtos, tendo assim maior produtividade em menor tempo. Vale também ressaltar que Ford não só revolucionou a indústria com a produção em série, mas também com a introdução da jornada de trabalho de oito horas e a criação de um salário mínimo de cinco dólares.

No decorrer deste trabalho, estaremos detalhando e comentando melhor, uma a uma de suas idéias básicas.


Henry Ford - Um passado Notável

Nasceu em WAYNE COUNTY, MICHIGAN, ESTADOS UNIDOS em 30 de julho de 1863

Se ouvisse os conselhos de seu pai, Ford teria seguido a carreira de agricultor, filho de fazendeiros, Ford tinhas idéias próprias: seu negócio era a mecânica.

O pai não aprovava esta mania do filho, Ford acabou tendo que fugir de casa, aos 16 anos.

Os primeiros tempos na cidade grande ( DETROIT ) foram duros.

Trabalhou como mecânico-aprendiz em varias oficinas mais tarde trabalhou para a Companhia DETROIT EDISON como responsável pela manutenção do serviço elétrico da cidade.

Com muito sacrifício, Ford conseguiu montar sua própria oficina. A instalação era precária, mas foi dali que saiu o quadricículo – patriarca de uma família automobilística cujos descendentes hoje se contam aos milhões.

Sua intenção" – dizia Ford – "era produzir um carro bastante grande para conduzir uma família inteira e, ao mesmo tempo, suficientemente pequeno para ser guiado e mantido por uma única pessoa.

Quero empregar nele o melhor material e mão de obra que possa encontrar.

E tudo isso por um preço tão baixo que qualquer pessoa, ganhando um salário razoável, poderá ganhar um."

Fabricar um automóvel barato, na opinião de Ford, exigia, antes de mais nada padronização.

Na época, ninguém tinha ainda pensado nisso e a idéia parecia meio extravagante, mas alguns amigos confiando em sua competência como mecânico e em sua visão de futuro, resolveram arriscar suas economias numa sociedade: e fundou–se em 1903 a Ford Motor Company.

A nova indústria, lançou em 1903 o seu primeiro carro: o modelo A.

O sucesso foi total. No final do ano, sua firma registrava lucros de 100%.

Para Ford, era pouco: continuava obstinado em seu projeto de produzir em massa um carro realmente barato.

Já que dinheiro estava sobrando nos cofres da companhia, resolveu ampliar as instalações da fábrica.

Produzindo mais, poderia cobrar menos por cada automóvel.

Em vez de produzir vários modelos, a companhia passou a fazer um único modelo T (era bom e barato), que entrou no mercado em 1908.

Ford, queria produzir algo melhor e mais barato e acabou conseguindo: o "Ford-de-bigode", em 1912 – 1927, que era realmente mais econômico, eficiente, simples e barato.

Era o carro adequado ao homem comum americano. Mas o homem comum americano se contava aos milhões. Portanto, era