Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

Motivação, Trabalho e Empregabilidade

Trabalho por Graça Coiro, estudante de Diversos @ , Em 31/03/2005

5

Tamanho da fonte: a- A+

MOTIVAÇÃO, TRABALHO E EMPREGABILIDADE


Comecemos com uma definição de motivação. Para Bergamini & Coda (1990, p.4), "motivação é definida como uma inclinação para a ação que tem origem em um motivo (necessidade)". A motivação vem das necessidades humanas e significa que, quanto mais intensamente motivada estiver uma pessoa, mais baixo será o nível de satisfação associado com uma necessidade em questão.

O ímpeto para o comportamento é proveniente da energia que a necessidade (física ou psicológica) representa e o objetivo desta é a satisfação.

O indivíduo só estará motivado para um determinado comportamento se houver uma necessidade energizando este comportamento, uma necessidade satisfeita, portanto, segundo conceituados estudiosos da motivação como Maslow, não representa mais um motivador do comportamento, embora seja verdadeiro dizer que um estímulo externo possa influenciar o comportamento, este nada mais é do que um fator de satisfação ou contra-satisfação, que são os verdadeiros determinantes do comportamento positivo (não frustrado) o negativo (frustrado).

É importante ressaltar que a motivação é uma predisposição interna e inerente ao ser humano; é uma energia, uma tensão e uma força que mobiliza o comportamento para a busca de satisfação de necessidades.

Para Maslow, o mais reconhecido estudioso da motivação, esta é eminentemente intrínseca ao ser humano. Para outros autores, a motivação é também extrínseca, isto é, está relacionada a estímulos externos que mobilizam o comportamento para a obtenção de satisfação. A propaganda, por exemplo, explora muito bem o fascínio que os incentivos exercem no ser humano, consciente ou inconscientemente. Por exemplo, uma vitrine com roupas bonitas e coloridas pode representar um apelo irresistível, mesmo que não haja uma necessidade de comprar roupas naquele momento.

Alguns autores destacaram-se no estudo da motivação como Abraham Maslow, Frederick Herzberg e David McClelland.

Maslow mostrou em seus estudos uma relação entre as necessidades internas do indivíduo e uma hierarquia de necessidades, iniciando das mais básicas para as mais elaboradas, portanto, as primeiras seriam as necessidades fisiológicas, depois as de segurança, as sociais, as de auto-estima e por último, as de auto-realização. O autor reconhece que os níveis mais básicos devem ser satisfeitos antes, pois são mais elementares e garantem a sobrevivência, sem o que não é possível ter outras necessidades mais elaboradas. Na medida em que o principal motivador estiver satisfeito, irá se tornando menos motivador, deixando lugar para outras necessidades ainda insatisfeitas.

De acordo com Herzberg, os fatores extrínsecos ao indivíduo não o motivam, apenas previnem a insatisfação, são, portanto, necessários, mas não suficientes para indicar motivação. Herzberg estuda a motivação na perspectiva da sua relação com o trabalho. Para este autor, pode-se identificar dois tipos de fatores: higiênicos (relativos a salário, condições de trabalho, segurança no cargo, políticas de RH, relacionamento interpessoal); e motivacionais (realização, reconhecimento, gratificação, crescimento).

Para McClelland, existem três forças importantes que impulsionam a motivação humana: impulsos de realização (para superar desafios, avançar e crescer), impulso de afiliação (relacionar-se de forma eficaz com as pessoas) e impulso de poder (influenciar pessoas e situações). O conhecimento das forças motivacionais ajuda a entender as atitudes das pessoas, segundo o autor.

A motivação é uma questão importante na relação com o trabalho e influencia o clima organizacional, isto é, a percepção que os trabalhadores têm da empresa e suas políticas facilitadoras ou dificultadoras da satisfação de suas necessidades. Bergamini (1990, p.62) refere "quando se consegue condições organizacionais que facilitem o livre curso da força motivacional interior, ela impelirá cada indivíduo a utilizar mais plenamente suas aptidões, uma vez bloqueada a motivação pelas restrições do ambiente de trabalho, os sentimentos de frustração serão enormes".

Cabe à administração de RH nas empresa, por sua natureza e objetivo, identificar necessidades e oferecer satisfação