Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

O Que é Política Social de Vicente de Paula Faleiros

Trabalho por Fábio Ottoni Júlio, estudante de Ciências Sociais @ , Em 16/11/2004

5

Tamanho da fonte: a- A+

O Que é Política Social


Introdução

O assunto que abordaremos visa à política social abrangendo vários temas na vida cotidiana de cada pessoa. Mostra-nos a realidade dos políticos que, aparecem como benfeitores, embora geralmente busquem o prestígio e que, por trás de um direito do povo, querem se beneficiar utilizando os programas sociais, sendo que todos são pagos pelos próprios trabalhadores.


O que é Política Social

O autor para falar sobre este tema teve que quebrar a cabeça e quebrar assuntos e temas que estão inter-relacionados: a fala das políticas sociais, seus mecanismos sua relação com a economia, com estados e as forças sociais e com as crises econômicas.

Em primeiro lugar mostra o discurso das políticas sociais e depois a vinculação entre o político e o econômico.

A análise das políticas sociais tem muitos caminhos: as políticas sociais ora são vistas com mecanismo de manutenção de força de trabalho, conquistas dos trabalhadores como arranjos do bloco no poder ou bloco governante, como doação das elites dominantes, instrumentos de garantia do aumento da riqueza ou dos direitos do cidadão.


A bondade aparente

Cada dia surge novos programas de assistência ao estudante, ao velho, ao índio, à criança, à mulher, ao deficiente, ao doente, ao prisioneiro, às cidades.

Os organismos privados e estatais estão muito entrosados na administração ou gestão cotidiana dos programas sociais formando um só conjunto que alguns autores chamam estado ampliado.

Em geral os programas se apresentam sob a forma de um benefício ou de um serviço. O benefício consiste num auxílio dado em certos casos específicos de perda ou diminuição da capacidade de trabalho a fim de garantir um mínimo de subsistência ao trabalhador ou ao pobre desempregado.

O serviço é uma relação entre uma instituição e uma cliente para atender problemas pessoais e/ou sociais.

Assim, existe nas previdências sociais auxílio-natalidade, na ocasião do nascimento de uma criança; auxílio-doença ou auxílio-acidente.

O presidiário também recebe auxílio e, quando o trabalhador morre sua família pode beneficiar-se de um auxílio funeral. Todos esses auxílios são inferiores ao salário do trabalhador, para que estes não perca o estímulo de trabalhar e produzir.

Os serviços educacionais, de orientação social, de assistência médica, de ajuda jurídica, e outros, compõem um conjunto importante de atividades oferecidas pelas instituições sociais.

São atividades exercidas por profissionais ou técnicos dentro de instituições e obedecem a normas muito detalhadas.

Esses auxílios e serviços, mesmo garantidos por lei, geralmente aparecem como favores à população. Assim, são implantadas em certas conjunturas políticas, como por exemplo, para cata de votos ou para prestigiar certos grupos que estão no bloco do poder, ou bloco governante.

Através destas medidas, o Estado e os Políticos aparecem como bons para o povo.

O trabalhador ou desempregado, não pode contar com seus filhos para sustentá-lo quando estiver na velhice, pois as formas de produção atuais destruíram a família extensa.

Essa forma tradicional de produção que se refletia no Código Civil, que obrigava os filhos a sustentarem os pais na doença e na velhice.

A família se organizava em torno da produção para o seu próprio sustento, compondo um grande aglomerado, denominado família extensa, que foi desintegrado pelo regime salarial da economia capitalista, em que o indivíduo é contratado pelo capitalista e não o grupo familiar.

Na forma atual de organização de produção o indivíduo sobrevive através de um emprego independente e as formas de vida não lhe dão condições de cuidar de velhos e doentes