Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

O Guru da Qualidade - Armand Vallin Feigenbaum

Trabalho por Adriana Igreja Ferreira, estudante de Diversos @ , Em 08/11/2004

5

Tamanho da fonte: a- A+

ARMAND VALLIN FEIGENBAUM - GURU DA QUALIDADE TOTAL


"A qualidade não está restrita ao processo

de produção de produtos e deve ser

preocupação de todos os

trabalhadores da empresa"

(Armand Feigenbaum)


"Qualidade é um conjunto de características

do produto ou serviço em uso, as quais

satisfazem as expectativas do cliente"

(Armand Feigenbaum)


INTRODUÇÃO

Este trabalho apresenta a vida e a trajetória profissional de Armand Vallin Feigenbaum, o considerado pai da qualidade total. Além disso serão destacados seus princípios e lógicas sobre a excelência e eficiência da qualidade.

Citando suas obras, seus conceitos e seus procedimentos para o alcance do objetivo principal TQC – Controle da Qualidade Total.

Para realização deste estudo fez-se preliminarmente uma pesquisa teórica e abrangente sobre a biografia de Feigenbaum.


1. BIOGRAFIA

Armand Vallin Feigenbaum nasceu em 1922 nos Estados Unidos.

Sua trajetória profissional em busca da qualidade total:

Em 1946, aos 24 anos era tido como o perito em qualidade da General Electric (GE), em Nova Iorque.

Em 1951 concluiu o doutoramento em Ciências pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT). Nesse ano lançou o best-seller Total Quality Control, a obra que lhe conferiu notoriedade mundial.

Em 1958 foi nomeado diretor mundial de produção da GE e vice-presidente da American Society for Quality Control (ASQC). Três anos depois foi eleito presidente desta instituição.

Em 1968 fundou a General Systems, da qual é presidente.

Em 1986 passou a membro honorário da ASQC, um justo prêmio para os seus 35 anos de atividade profissional ligada à qualidade.


2. IDÉIAS E FILOSOFIAS

2.1 – Idéias

A combinação de características de produtos e serviços referente a marketing e engenharia, produção e manutenção, por meio dos quais os produtos e serviços em uso corresponderão as expectativas do cliente.

Qualidade constitui determinação do cliente e não da área técnica, de marketing ou da gerencia geral. Ela é fundamentada na experiência real do cliente com o produto ou o serviço, medida de acordo com suas exigências – explicitas ou não, consistentes ou simplesmente percebidas, tecnicamente operacionais ou inteiramente subjetivas – e sempre representando algo variável em mercado competitivo.

2.2 - Filosofia

Sua filosofia básica de qualidade esta ligada a cada função e a cada atividade dentro da organização, e não simplesmente à fábrica e à engenharia, mas também as funções tradicionalmente chamadas de "colarinho-branco", tais como marketing e as finanças, com o objetivo de manter elevado o padrão de qualidade, em níveis mais econômicos, criando o conceito de "custos da qualidade", e o de promover a plena satisfação do cliente.

Mais do que uma técnica de eliminação de defeitos nas operações industriais, a qualidade é uma filosofia de gestão e um compromisso com a excelência.

Sendo assim Feigenbaum incluiu nove fatores que afetam a Qualidade - os chamados 9M – e são:

  • Markets (Mercados) – competição e velocidade de mudanças.
  • Money (Dinheiro) – margens de lucro estreitas e invetimentos.
  • Mangement (Gerência) – qualidade do produto e assistência técnica.
  • Man (Pessoas) – especialização e Engenharia de Sistemas.
  • Motivation (Motivação) – educação e conscientização para a Qualidade
  • Materials (Materiais) – diversidade e necessidade de exames complexos.
  • Machines (Máquinas) – complexidade e dependência da Qualidade dos materiais.
  • Methods (Métodos) – melhores informações para tomada de decisão.