Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

Amebíase

Trabalho por Tatiana Vidal Carepa da Silva, estudante de Enfermagem @ , Em 23/10/2004

5

Tamanho da fonte: a- A+

Amebíase


Introdução

As parasitoses intestinais ainda representam agravo importante à saúde humana, embora, nas últimas décadas, esteja ocorrendo melhoria nas condições de vida em muitas regiões e o advento de drogas antiparasitárias mais eficazes e seguras. Apesar de sua distribuição universal, as parasitoses intestinais adquirem maior importância sanitária nos países em desenvolvimento, onde as precárias condições de saneamento das áreas urbanizadas, o baixo nível sócio-econômico, a falta de orientação sanitária e os altos níveis de analfabetismo as transformam em um grave problema de saúde pública.

As enteroparasitoses, cuja transmissão é veiculada por água e alimentos contaminados são também responsáveis por quadros de desnutrição, anemia carencial e diarréia, muitas vezes acompanhadas por evacuações mucosanguinolentas, principalmente em crianças. A amebíase e a giardíase são doenças de ampla distribuição geográfica e elevada incidência na Amazônia brasileira, obrigando as autoridades sanitárias regionais a se manterem alertas.


Objetivos

O presente trabalho tem por objetivo:

  • O levantamento anual dos casos de infecção pelo parasito intestinal Entamoeba Stolytica no período de 1995 a 2000 de pacientes internados nas enfermarias da Fundação de Medicina Tropical FTM-AM/IMT-AM;
  • A descrição dos sinais e sintomas, tratamento e prevenção desta parasitose.


Metodologia Adotada

  • Pesquisa na biblioteca do Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia (INPA);
  • Pesquisa na biblioteca da instituição;
  • Visita à Fundação de Medicina Tropical FTM-AM/IMTM-AM, tendo acessado à biblioteca do local.


Histórico

A amebíase é uma doença causada por um protozoário chamado ameba, que cientificamente é chamado de Entamoeba histolytica. Essa doença encontra-se em todas as partes do mundo, estando sua distribuição ligada mais aos fatores higiênicos que geográficos. Sua transmissão para o homem ocorre pela ingestão de água e alimentos contaminados, indo o protozoário localizar-se principalmente no intestino grosso, onde normalmente vive por longos períodos:

  • Fase trofozoita minuta – essa forma representa uma fase normal de vida do protozoário, que se aloja na mucosa intestinal humana, alimentando-se principalmente do muco, amido e bactérias da flora intestinal. Essa forma mede de 10 a 20 micra, não sendo patogênica;
  • Fase trofozoita magna – essa forma representa a verdadeiramente patogênica, tendo dimensões maiores que a anterior;
  • Fase cística – essa é a forma tipicamente de resistência, sendo assim responsável pela transmissão e disseminação da doença, ao ser eliminado pelas fezes de indivíduos infectados. A formação da fase cística ocorre à luz do intestino grosso, a partir da forma trofozoita minuta. O protozoário deixa de captar alimentos do intestino, rodeia-se de uma membrana resistente e adquire a forma de cisto e são estes cistos, que por serem muito resistentes, caem no solo e sobrevivem durante longos períodos, até serem acidentalmente ingeridos por outras pessoas que também contrairão a doença.

A ameba no intestino, por si só, não causa transtornos ao paciente, mas quando as defesas do organismo caem ou a flora bacteriana intestinal é alterada por qualquer motivo, elas tornam-se invasivas e penetram as paredes do intestino, podendo chegar a outras partes do corpo.

Existem outros tipos de ameba que não causam doença ao organismo, como é o caso da Entamoeba Coli.


Apresentação dos resultados e discussão

Como dissemos, a ameba no intestino grosso normalmente não causa sintomas, mas quando invade as paredes do intestino, pode provocar sangramentos, infecções locais, diarréias líquidas de até 20 evacuações/dia e perfurações intestinais, com quadros de peritonite (inflamação do peritônio). Nos demais órgãos como no fígado, as amebas podem causar abcessos hepáticos, com febre alta e dor no lado direito e abaixo das costelas. Nos pulmões podem levar à necrose pulmonar e no coração a uma pericardite grave, que na maioria da vezes