Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

O Fio das Palavras

Trabalho por Kátia Regina Beal Rodrigues, estudante de Psicologia @ , Em 09/07/2004

5

Tamanho da fonte: a- A+

O FIO DAS PALAVRAS - UM ESTUDO DE PSICOTERAPIA EXISTENCIAL

CANCELLO, Luiz A. G. O Fio das Palavras – Um Estudo de Psicoterapia Existencial. 3ª ed. São Paulo: Summus, 1991.


AUTOR

Luiz A. G. Cancello é psicólogo e psicoterapeuta. Professor da Universidade Católica de Santos - SP


OBRA

O FIO DAS PALAVRAS é um livro que foi inicialmente destinado aos alunos do 4º ano de Psicologia da Universidade Católica de Santos. A proposta do livro é contribuir para o aumento da escassa bibliografia sobre psicoterapia existencial disponível em Português. Propõe ainda uma reformulação no enfoque tradicional da psicologia clínica e em, particular, a prática e o ensino da psicoterapia existencial. É um dos raros textos nacionais sobre psicoterapia existencial destinado a estudantes, profissionais e leigos interessados em conhecer essa vertente teórica acompanhando um paciente em busca da cura.


RESUMO

Luiz Cancello define Psicoterapia como o acontecimento onde estão envolvidas duas pessoas e justamente por esse envolvimento, elas não se encontram à distância necessária para a constituição da objetividade. É pela linguagem que terapeuta e paciente se encontram na terapia. As palavras, se não forem vazias, terão como função trazer à presença daquele que as escuta (ou lê) aquilo o que falam.

Como então, alguém pode aprender a arte de escutar e de ajudar e se tornar um especialista? Em primeiro lugar, precisa de um diploma em Psicologia, ou seja, cursar a graduação e após especializar-se na linha que deseja trabalhar. Durante o curso e até mesmo depois de formado, o estudante e o psicólogo precisa fazer terapia e também precisa de uma supervisão.

O processo terapêutico consiste na observação do fenômeno, buscando a redução fenomenológica que será realizada após a époché, ou seja, após a suspensão dos nossos valores, poderemos entender o significado do mundo do outro e qual o seu sentido. Confirmadas as experiências do cliente e a escuta, tanto através das palavras como do silêncio, o terapeuta terá uma atitude de testemunha e não de juiz, com o objetivo de trazer o cliente para o presente e no aqui-e-agora, onde a verdade se desvela.

O contato entre o terapeuta e o paciente precisa ser de intimidade. Após construída essa intimidade, na procura do objeto comum, a cura, o paciente e terapeuta vão traçando o seu contato peculiar.

Intimidade e confiança seguem o mesmo fio, pois confiança é co-fiar: seguir junto o mesmo fio. Dessa forma, o terapeuta faz o paciente voltar ao problema mais presente. O que o aflige pode ser algo que vem o incomodando ou foi gerado no passado, mas precisar vir à tona, precisa ser trazido ao presente para que possa ser compreendido e solucionado.

Cada uma das intervenções do psicoterapeuta tende a abrir um contexto diferente de significações e cada uma delas pode oferecer um caminho diferente ao paciente. O terapeuta, no entanto, precisa estar atento às motivações do paciente. O paciente pode por exemplo, não estar preparado para descobrir ou aceitar um determinado problema ou a solução para o mesmo. Ele pode não estar "pronto".

O paciente quando inicia o processo terapêutico acredita que o terapeuta irá conduzi-lo a respostas prontas e respectivamente à cura. A cura, no entanto, está no próprio paciente. Cabe ao terapeuta indicar o caminho fazendo com que o paciente perceba que a cura está nele.

A psicoterapia existencial pretende buscar a compreensão dos fenômenos humanos e inserindo o cliente no contexto de sua vida. A escolha cabe exclusivamente a cada ser humano, mas a inserção pode necessitar da intervenção da psicoterapia.

Sartre disse: "Não importa o que fizeram de nós; importa o que nós