Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

Custeio Baseado em Atividades

Trabalho por Paloma Donizeti Oliveira de Caires, estudante de Contabilidade @ , Em 15/06/2004

5

Tamanho da fonte: a- A+

Custeio Baseado em Atividades (ABC)

Taboão da Serra

2003


Resumo

O presente estudo objetiva servir como fonte de consulta para estudantes e tem como principal objetivo demonstrar a simplicidade, a praticidade e a eficiência da Contabilidade de Custos como ferramenta gerencial para tomada de decisões.

Deverá também ser o objetivo deste, esclarecer as vantagens do ABC e explanar suas finalidades, sendo uma delas, proporcionar aos administradores informação sobre custo do produto, para análise de lucratividade e outras decisões.

Diante disto, mostrar que os objetivos servem de alerta para os projetistas de sistemas ABC, pois uma de suas principais vantagens, a precisão, pode ser comprometida por decisões de agrupamentos baseados no senso comum, sem o uso de testes que podem quantificar as distorções.


Introdução

Nas últimas décadas, mais precisamente a partir de 1975, com o surgimento da globalização, as empresas têm-se empenhado na busca constante da "excelência empresarial". Com essa globalização, um dos maiores problemas enfrentados pelas empresas multinacionais na área de custos e análise é o da apropriação dos custos indiretos de fabricação por produto, devido a dimensão desses custos e à falta de técnicas adequadas para sua administração. Esses custos indiretos cresceram significativamente com as novas tecnologias de produção e com a substituição da mão-de-obra pela robotização.

O problema na apuração do custo indireto de fabricação por produto deriva dos sistemas tradicionais de apuração de custos, com alocações baseadas no volume de produção, o qual não apropria adequadamente os custos indiretos de fabricação aos produtos, para fins de análise de custos em ambientes de produção diversificada.

O ambiente internacional em seus diversos aspectos vem se modificando e tornando-se mais competitivo e exigente. As empresas estão passando por processos de mudanças profundas, e como não poderia deixar de acontecer esses processos de mudança tem impactado a economia, através de uma competição global mais intensa, desregulamentação de mercados, inovação de produtos, diversidade de produtos, ciclo de vida dos produtos mais curtos, sistemas de manufatura automatizados, tornar mais produtivo o sistema de fabricação, produzir uma pequena quantidade de uma grande variedade de tipos de produtos, fluidizar a produção .

No início da década de noventa, todos os profissionais argentinos envolvidos com a geração de informações utilizáveis na tomada de decisões em nível empresarial sentiram-se atraídos pela numerosa quantidade de artigos publicados sobre a existência de um novo método de custeio baseado em atividades, denominado originalmente Activity-Based-Cost (ABC). Os diretores das empresas, em especial aqueles envolvidos com tomada de decisões de caráter estratégico e operacional, pediam mais informações sobre este sistema, que, a priori, se apresentou como uma solução dos problemas que as empresas tinham em matéria de determinação e utilização de custos.


1. Abordagem Inicial

Importância do Custeio Baseado em Atividades

O Custeio Baseado em Atividades, conhecido como ABC, é uma metodologia de custeio que procura reduzir sensivelmente as distorções provocadas pelo rateio arbitrário dos custos indiretos.

O ABC pode ser aplicado, também, aos custos diretos, principalmente à mão-de-obra direta, e é recomendável que o seja, mas não haverá, neste caso, diferenças significativas em relação aos chamados "sistemas tradicionais". A diferença fundamental está no tratamento dados aos custos indiretos.

Com o avanço tecnológico e a crescente complexidade dos sistemas de produção, em muitas industrias os custos indiretos vêm aumentando continuamente, tanto em valores absolutos quanto em termos relativos, comparativamente aos custos diretos.

Outro fenômeno importante a exigir melhor alocação dos custos indiretos é a grande diversidade de produtos e modelos fabricados na mesma planta que vem ocorrendo nos últimos tempos, principalmente em alguns setores industriais.

Daí a importância de