Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

O Islamismo na Formação do Estado Árabe

Trabalho por Nilton José Cordeiro, estudante de História @ , Em 22/05/2004

5

Tamanho da fonte: a- A+

CIVILIZAÇÃO ISLÂMICA


As origens do islamismo

A construção do Estado árabe

A Arábia é uma extensa península situada entre a Ásia e a África, tendo como limite o mar Vermelho a oeste, o golfo Pérsico a leste, o mar Mediterrâneo ao norte e o oceano Índico ao sul. Com clima quente e seco, 80% do seu território constitui-se de desertos.

A história da Arábia costuma ser dividida em duas grandes fases:

  • Arábia pré-islâmica — período anterior à religião fundada por Maomé.
  • Arábia islâmica — período caracterizado pelo islamismo, religião fundada por Maomé.  


Arábia pré-islâmica

Por volta do século VI, viviam na Arábia diversos povos de origem semítica, que podem ser agrupados em:

  • árabes beduínos — povos seminômades que vagavam pelos desertos. Organizados em tribos, dedicavam-se à pecuária.
  • Árabes urbanos — povos sedentários que habitavam as cidades situadas principalmente no litoral. Dedicavam-se sobretudo às atividades comerciais, sendo responsáveis pelas caravanas de camelos que transportavam produtos do Oriente para as regiões do mar Mediterrâneo.Os diversos povos da Arábia não formavam um Estado com unidade política, mas tinham elementos culturais comuns, como o idioma árabe e certas crenças religiosas. Além disso, eram politeístas e adoravam cerca de 360 divindades.

Numa tentativa de dar maior unidade às diversas tribos árabes, foi construído na cidade de Meca um santuário religioso, a Caaba (casa de Deus), reunindo as principais divindades de toda a Arábia. Na Caaba existia a Pedra Negra (provavelmente, um pedaço de meteorito), que era bastante venerada, pois acreditava-se ter sido trazida do céu pelo anjo Gabriel.

Devido ao santuário, Meca tornou-se o centro religioso dos árabes e, também, o centro comercial da Arábia, pois a cidade transformou-se em ponto de encontro de pessoas e de mercadorias de diversas regiões.  


Arábia islâmica

Unidos pela religião fundada por Maomé, os diversos povos árabes conquistaram um extenso território, constituindo uma das mais importantes civilizações do mundo.


Maomé e o islamismo

Maomé (570-632) pertencia à tribo dos coraixitas, que tinha como missão zelar pela Caaba de Meca.

O avô de Maomé, além de possuir cargo religioso importante, era um comerciante bem-sucedido. Entretanto, Maomé sofreu dificuldades econômicas em sua infância e adolescência: aos sete anos, tendo perdido os pais, passou a ser criado por um tio e, muito cedo, teve que começar a trabalhar como pastor de carneiros. Menciona-se que Maomé, em sua juventude, teria feito viagens à Síria e, talvez aí, tenha estabelecido seus primeiros contatos com o cristianismo e com o judaísmo.

Aos 25 anos de idade Maomé casou-se com Khadija, uma rica viúva que o incumbiu de dirigir seus negócios comerciais. Com esse casamento Maomé deixou a vida de pobreza, subindo na escala social. Mas, apesar da riqueza, Maomé sentia-se interiormente insatisfeito e, por isso, dedicava-se à meditação.

Aos 40 anos, passou a ter uma série de visões que o convenceram de que ele era o profeta escolhido por Deus (Alá) para anunciar aos homens uma nova doutrina religiosa.

Iniciando suas pregações religiosas, Maomé entrou em conflito com os sacerdotes de Meca, que eram politeístas e estavam interessados em manter a cidade de Meca como centro religioso e comercial dos árabes. Devido a esse conflito, Maomé foi obrigado a deixar a cidade, em 622, e a fugir para Yathrib, posteriormente denominada Medina, a cidade do profeta. Essa data denomina-se Hégira e marca o início do calendário muçulmano.

Aos poucos, Maomé estruturou sua religião e organizou um exército de seguidores, que, em 630, conquistou Meca. A Caaba foi transformada num centro de orações, e Maomé proibiu todos os cultos idólatras que antes existiam. 


Doutrina islâmica