Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

Motivo da Viagem de Turistas Estrangeiros em 1997 e 1998

Trabalho por Ligia Rodrigues, estudante de Turismo @ , Em 29/07/2003

5

Tamanho da fonte: a- A+

O Motivo da Viagem de Turistas Estrangeiros em 1997 e 1998



1. TEMA

O Motivo de Viagem ao Brasil em 97 e 98

2. Justificativa da Escolha do Tema

Devido ao nosso interesse profissional e nosso futuro no mercado, podemos analisar as conseqüências e planos para os projetos turísticos brasileiros.

Devido a importância e o significado do turismo no Brasil, que tem crescido de forma tão expressiva que vem dando a essa atividade lugar de destaque na política geoeconômica e na organização espacial, vislumbrando-se como uma das atividades mais promissoras para o milênio.


3. OBJETIVOS DA PESQUISA:

  • Visualizar as oportunidades e negócios na área turística
  • Possibilidade de explorar turisticamente o Brasil
  • Verificar as falha, que impedem o crescimento do turismo no Brasil.


4. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA SOBRE TÉCNICAS DE AMOSTRAGEM

Amostras Probabilísticas:

Pra se obter uma amostra probabilística, utiliza-se os conceitos da estatística, pois, nesse tipo de amostra, todos os elementos da população têm igual probabilidade, e diferente de zero, de serem selecionados para compor a amostra.

Existem quatro procedimentos básicos para obtenção de amostra probabilística: simples, estratificadas, sistemática e por conglomerado.

Probabilística Simples

Há uma igual probabilidade, diferente de zero, de cada elemento da população ser escolhido por meio de sorteio. É a escolha aleatória dos elementos que farão parte da amostra. Assim, por exemplo, para se obter uma amostra junto a publicitários de uma determinada cidade, calculamos a amostra independente de outros fatores, bastando o entrevistado ser publicitário. É a técnica mais perfeita para se obter uma amostra representativa do universo, ou população, porém impraticável quando a população e muito grande, pois não possibilita a aplicação da tabela de números aleatórios.

Probabilística Estratificada

É aplicada quando há necessidade de subdividir a população em extratos homogêneos, como, por exemplo, por classe socil, idade, sexo etc.

Determinados os extratos, os elementos da amostra são selecionados pela técnica probabilística simples.

Probabilística Sistemática

Os elementos da amostra serão selecionados aleatoriamente e será estabelecido um intervalo entre esses elementos. Esse intervalo é obtido como divisão do número do universo, ou população, pelo número da amostra.

Probabilística por Conglomerado

A técnica probabilística por conglomerado exige a utilização de mapas detalhados de regiões, estados, municípios e cidades, pois para a seleção da amostra, a subdivisão da área a ser pesquisada por bairros, quarteirões e domicílios, que serão sorteados para a composição dos elementos da amostra, e a pesquisa será realizada de forma sistemática para que não haja interferências nas informações.

Amostra Não-Probabilísticas

As amostras não-probabilísticas são selecionadas por critérios subjetivos do pesquisador, de acordo com sua experiência e com objetivos de estudo. As amostras não-probabilísticas não são obtidas utilizando-se de conceitos estatísticos e podem ser subdivididas em não-probabilísticas por conveniência, por julgamento e por cota.

Nao-Probabilística por Conveniência

Os elementos da amostra são selecionados de acordo com a conveniência do pesquisador. São as pessoas que estão ao alcance do pesquisador e dispostas a responder.

Por exemplo, pode-se abordar alunos de uma determinada faculdade, para obter as informações para uma pesquisa. Essa técnica é não-conclusiva e a amostragem é menos confiável, apesar de mais barata e simples.

Não-Probabilística por Julgamento

Os elementos da amostra são selecionados segundo um critério de julgamento do pesquisador, tendo como base o que se acredita que o elemento selecionado possa fornecer ao estudo.

Por exemplo, se queremos verificar as razões, os