Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

Batalha Espiritual

Trabalho por Luis Carlos Martins Esperon, estudante de Diversos @ , Em 22/04/2003

5

Tamanho da fonte: a- A+

RESENHA DO LIVRO - "O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE BATALHA ESPIRITUAL"

ABRIL, 2001


LOPES, Augustus Nicodemus.O que você precisa saber sobre BATALHA ESPIRITUAL. São Paulo. Cultura Cristã,2ª Ed., 1998.223p.

"O Homem como medida do próprio Homem, expressão essencial do pecado formulada por Protágoras mas encontrada em qualquer altura da História, é o alicerce da obra de construção também da Babel moderna"

Nicodemus anuncia que Deus e Sua palavra, estão sendo visivelmente substituídas pelo que chama de "centelha divina"; o conflito da Igreja com as hostes das trevas e suas implicações no presente,o levam à reflexão produtora desta obra.

Reconhece ele que o movimento de "batalha espiritual" tem produzido o surgimento de novas igrejas (e mesmo denominações) cujo ministério principal é a expulsão de demônios e a libertação de crentes e descrentes da opressão demoníaca; assim,o objetivo da obra,segundo seu autor, é apresentar o ensino bíblico sobre o conflito da Igreja com as hostes das trevas e suas implicações nos nossos dias.

Nós estamos em guerra. Conforme Paulo fala em sua carta aos Efésios (6.10-20), e estamos em uma luta sem tréguas contra principados e potestades e, neste ponto, nenhum crente pode ser um pacifista e dizer que não acredita em guerra, por que já está envolvido em uma. O Apóstolo descreve a Igreja de Cristo em sua armadura completa, resistindo firme, ao ataque feroz,incessante,cruel e astucioso de um inimigo tremendamente poderoso. A Igreja não é um piquenique, não é um clube, mas um exército;é a Igreja militante, conforme explica a nossa Teologia Reformada.

O chamado ao combate está firmemente estabelecido na Carta aos Efésios e Paulo diz, ao abordar tal combate, que não devemos pensar que a miséria e os efeitos situacionais do pecado acabaram quando nos tornamos seguidores fiéis de Cristo. Na verdade, o que ocorreu quando nos curvamos diante de Cristo pela fé, foi termos nos alistado em seu exército, tornamo-nos soldados e fomos convocados para resistir aos inimigos mais poderosos que jamais alguém ou alguma entidade neste mundo poderia encarar.

O texto bíblico em referência é portanto uma convocação para a batalha e o que Paulo está querendo dizer é que nós devemos acordar pois a luta está sendo travada e precisamos estar alerta. Mas como nos preparar para a batalha?

1- a Igreja deve se lembrar que sua força em combate vem de Deus;

2- é preciso que estejamos revestidos da armadura de Deus, peça por peça; o propósito dessa armadura é que a Igreja permaneça firme, fundamentada e firmada em sua posição de vitória, em Cristo Jesus, e assim, firme contra as ciladas do diabo. É importante não nos esquecermos que o conflito da Igreja agora é contra seres espirituais poderosos e astutos aos quais Paulo chama de "dominadores deste mundo tenebroso" e que são numerosos, organizados superiores em poder,perversos,astutos e, em certo sentido, receberam a autoridade para exercer domínio parcial neste mundo.

Este combate cristão apresenta muitos perigos; o primeiro, é a tendência perigosa, atual, de se ver o diabo em todo lugar e de a ele atribuir-se mais crédito do que lhe é devido; segundo, é o perigo de desprezarmos e subestimarmos o mundo espiritual tenebroso; infelizmente, alguns teólogos chegam a negar a existência do diabo, dos demônios e a sua atuação. Negam mesmo a possibilidade de possessão demoníaca. O terceiro perigo é acreditarmos que "batalha e espiritual" seja algo novo; o fato é que os reformadores e os puritanos já se preocupavam com isso, tanto na existência quanto na persistência dessas forças, sem contudo tornarem-se defensores da !batalha espiritual "como nos é apresentada hoje.

O quarto perigo é pensarmos